As Mesquitas mais Famosas da Civilização Islâmica

Mesquita-de-Abu-Dhabi-1

As Mesquitas mais Famosas da Civilização Islâmica

 

Dr Ragheb Elsergany

Tradução: Sh Ahmad Mazloum

 

As mesquitas foram verdadeiros centros de ensino, onde todos os meios foram fornecidos para que os alunos continuem seus estudos e se dediquem neles. Eles eram pagos, tinham alojamentos construídos exclusivamente para eles[1]. Dentre estas mesquitas, que eram semelhantes às universidades atuais:

 

– Mesquita dos Omíadas em Damasco, que foi construído por Al-Walid ibn Abdul-Malik. Haviam diferentes sessões nesta mesquita. A jurisprudência maliki tinha um canto, bem como a Shafi’i. Al-Khatib al-Baghdadi também teve uma sessão na mesquita, onde ele ensinava hadith. As aulas ministradas na mesquita não se limitaram à ciência religiosa, mas também incluiu língua, literatura, aritmética e astronomia.

                                                                                                                                  

– Mesquita de Amr Ibn Al-As em Al-Fustat, no Egito. Tinha mais de quarenta sessões de aprendizagem, frequentada por alunos para o estudo e pesquisa. Havia a aula de Al-Imam Al-Shafi’i. Em meados do século islâmico quarto, o número de sessões realizadas na mesquita atingiu cento e dez, alguns dos quais foram reservados para mulheres. Em seguida, surgiu o sistema de Ijazah (certificados). Este sistema permitiu que os alunos usassem os livros de seus mestres depois do certificado, para relatar os pontos de vista de seu mestre.[2]

– Mesquita Al-Azhar, a sua construção foi concluída em de 361 dH e se tornou uma referência para estudantes de países islâmicos. Os califas atribuíram várias doações para Al-Azhar e nomearam diversos professores de diversas especializações científicas. Como resultado da grande fama da Mesquita Al-Azhar e por causa das facilidades encontradas pelos seus alunos, estudantes de todos os lugares frequentaram a mesquita. O número de alunos que frequentavam a mesquita em 818 dH/1415 dC – de acordo com Al-Maqrizi[3] – chegou a setecentos e cinquenta, incluindo os estrangeiros[4], estudantes da parte rural do Egito e marroquinos. Cada grupo deles tinha um lugar especial nomeado por eles.

A mesquita continuou a ser um centro científico brilhante, transmitindo a sua mensagem ao longo da história, onde muitos estudiosos se graduaram e muitas obras foram escritas. Foi verdadeiramente uma escola para a ciência e seu povo.[5]

                                                                                                                              

 

– Mesquita de Al-Zaytunah, na Tunísia, foi construída na época dos califas omíadas. O fundador da Mesquita de Al-Zaytunah foi o emir Ubaidullah ibn Al-Habhab, que foi nomeado governador do Norte de África por Hisham ibn Abdul-Malik. A mesquita teve muitas expansões em 250 dH/864 dC, quando Ziyadatullah ibn Al-Aghlab (na época da dinastia Aghlabi) ampliou a mesquita. A mesquita tinha um status elevado no que diz respeito ao ensino dos diferentes tipos de ciência, que foram ensinados por investigadores seniores, como Abd-al-Rahman ibn Ziyad Al-Ma’afiri[6], que era um erudito sênior de hadith, Abu Said Al-Sahnun Tanukhi, Al-Imam Al-Maziri[7] e outros[8].

Estudantes de todos os lugares freqüentaram esta mesquita na busca de conhecimento, onde livros de interpretação do Alcorão, hadith, fiqh (jurisprudência) e língua foram estudados. Al-Hasha’ishi[9] descreve a situação da educação na Mesquita Al-Zaytunah dizendo que todos os tipos de ciência foram ensinados lá, e dizia-se que perto de quase todos os pilares na mesquita havia um professor. E a biblioteca da mesquita incluiu mais de duzentos mil livros.[10]

– A Mesquita de Al-Qarawiyin. Foi construída em Fez, no Marrocos, na era da dinastia Idrissi em 245 dH / 859 dC. Em 322 dH/934 dC, o emir Ahmad ibn Abu Bakr Al-Zanati ampliou a mesquita. No início do sexto século islâmico, a mesquita foi ampliada novamente, até que ganhou uma reputação excelente. A mesquita tinha um status científico elevado, e alunos de todos os lugares buscavam o conhecimento nela. A mesquita tinha um orçamento especial, como resultado das doações concedidas para além dos fundos doados por príncipes e outros. Como resultado da grande fama da mesquita, estudantes de outros países, inclusive da Europa, frequentaram este instituto científico. É citado que o Bispo Gerber[11], que mais tarde se tornou o Papa Silvestre II de Roma (em 999-1003 d.C), estudou na Mesquita Al-Qarawiyyin depois que ele estudou na Universidade de Córdoba.[12]

 

                                                                                                                       

 

[1] Ver: Al-Abdullah Mashukhi: Mawqif wa al-Islam Al-Kanisah min Ilm-Al, p 54.

[2] Rahim Kazim Muhammad Al-Hashimi e Awatif Muhammad Al-Arabi: Al-Al-Hadarah Arabiyah Al-Islamiya, p 150.

[3] Al-Maqrizi: Ele é Taqi-al-Din Ahmad ibn Ali Al-Maqrizi (766-845 AH), historiador sênior egípcio, viveu na era dos mamelucos. Alguns de seus livros famosos: Al-Suluk li Ma’rifat Dwal Al-Muluk (A forma de conhecer os Estados dos reis), e Al-Mawa’iz wa Al-I’tibar bi Zikr Al-Khutat wa Al-Athar, conhecido como “Khutat Al-Maqrizi” (Planos de Al-Maqrizi).

[4] Ibn Kathir: Al-Bidayah Wal Nihayah 11/310.

[5] Ver: Abdullah Al-Mashukhi: Mawqif Al-Islam wa Al-Kanisah min Al-Ilm, p 57.

[6] Ibn Abdul-Rahman Zyad (Ibn An’am): Ele é Abdul-Rahman ibn Ziad ibn An’am Al-Ma’afiri Al-Ifriqi (75-161 dH/694-778 dC). Ele era conhecido por ousar com reis. Ele nasceu e cresceu em Barqa. Ele assumiu a magistratura em Al-Qayrawan por duas vezes.

[7] Al-Maziri: Ele é Abu Abdullah Muhammad ibn Ali ibn Umar Al-Maziri (453-536 dH/1061-1141 dC), um estudioso da hadith, jurisprudenciais, e homem de letras. Um de seus livros é: Nuzum Al-fi Fara’id Ilm Al-A’qa’id (livro sobre a fé). Veja: Al-Zahabi: Tazkirat Al-Huffaz (lembrete de estudiosos hadith) 1 / 52, e Kahalah: Mu’jam Al-Mu’allifin (léxico de escritores) 11/32.

[8]  Ver: Muhammad ibn Uthman Al-Hasha’ishi: Tarikh Al-Jami Zaytunah (a história da mesquita de Al-Zaytunah), p36.

[9] Al-Hasha’ishi: Ele é Muhammad ibn Uthman Al-Hasha’ishi Fadil Al-Sharif (1271-1330 dH/1855-1912 dC), da Tunísia. Ele estava interessado em examinar os livros na biblioteca de Al-Zaytunah mesquita. Veja: Al-Zirikli: A’lam Al-6 / 263.

[10] Ver: Abdullah Al-Mashukhi: Mawqif Al-Islam wa Al-Kanisah min Al-Ilm, p 56.

 

[11] Ver: Abd-al-Hadi Al-Tazi: Ahada-Ashra Qarnan fi Jami’at Qazwin (Onze séculos na Universidade do Mar Cáspio), p 19.

[12]  Ver: Al-Abdullah Mashukhi: Mawqif Al-Islam wa Al-Kanisah min Al-Ilm, p 56.

Facebook

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Close Panel