Os Chafarizes nos Jardins Islâmicos

Chafarizes islamicos

 

Os Chafarizes nos Jardins Islâmicos

 

Dr Ragheb Elsergany

Tradução: Sh Ahmad Mazloum

 

As fontes nos jardins islâmicos fazem parte das competências dos agricultores, engenheiros e artistas muçulmanos, no uso de água nos jardins.
“A água foi utilizada em jardins islâmicos de forma diversificada, em forma de superfícies áquáticas sombreadas por árvores, em forma de fontes que auxiliam no movimento da superfície da água para que ele não atue como superfície reflexiva, sob a forma de tubos superiores a partir dos quais a água flui, causando uma brisa aceitável, ou em forma de mola.”[1]

 

Os chafarizes nas cidades muçulmanas

Depois de ter visto parte de como os jardins islâmicos se difundiram amplamente nas áreas muçulmanas, até mesmo dentro das casas, podemos dizer: nós podemos dobrar esse imaginário, e contar o número de fontes em todos os jardins das cidades islâmicas, porém esse número é incalculável.

Mesmo as casas pobres da sociedade islâmica são descritas por Will Durant, que disse: “As casas dos pobres naquela época, como é o caso agora, eram edifícios retangulares feitos de tijolos não queimados com um teto feito de uma mistura de barro, madeira, árvore de palma, galhos e palha. As casas que eram, de alguma forma, melhores tinham um espaço interno descoberto com uma fonte e, por vezes, uma árvore e um conjunto de colunas de madeira, bem como um corredor coberto entre o quintal e os quartos.[2]

Por exemplo, havia mais de 600 chafarizes em Belgrado durante a era do Califado Otomano.[3]

 

Os chafarizes na cidade de Fez

 

E há alguns anos atrás, as autoridades marroquinas restauraram fontes antigas da cidade de Fez. De acordo com estatísticas divulgadas na época, havia cerca de 70 fontes tradicionais nas ruas de Fez, 400 fontes em casas, mesquitas e escolas antigas. Fontes históricas dizem que estas fontes existem na antiga cidade desde o século 16 dC. Elas eram utilizadas para beber, aguar os animais e irrigar os pomares. E acredita-se que a existência destas fontes se associou aos padrões da complexa rede de água em Fez cerca de 10 séculos atrás.[4]

Assim, as fontes não eram uma espécie de ostentação, mas faziam parte da filosofia da civilização islâmica no uso da água, que era “relacionada a aspectos funcionais e prazer material e espiritual”.[5]

 

Granada

A água que sai das fontes – no jardim Generalife, em Granada – foi dirigida em torno da borda da piscina de uma maneira muito hábil, que poderia fazer a água fluir produzindo ondas semicírculares ao cair na piscina. Este estilo foi uma adição islâmica que não existia antes[6]. Havia, por vezes, peixes ou aves, como patos. E a existência de chafarizes nesses lagos impediu o aparecimento de insetos na superfície da água. Eles também foram usados para liberar a pulverização de água, refrescando e hidratando o clima com a mínima quantidade de água possível.[7]

 

Os chafarizes na região dos Balcãs

 

A utilização bem feita da água foi claramente demonstrada em fontes públicas que combinavam aspectos simbólicos, estéticos e práticos. Os mais belos exemplos destas criatividades estão nos pátios das mesquitas, e o que existia nos países dos Balcãs durante a era do Califado Otomano é um dos mais destacados exemplos, como: as fontes da Mesquita de Muhammad Koski Basha, a Mesquita Hertdos Bey, Mesquita Sinan Bey, em Kaineng, Mesquita do Sultão Ismi, em Baica, Mesquita Mustapha Basha, em Skopje, Mesquita Ghazi Khosrof Beg, em Sarajevo, a Mesquita Alaja, em Foca. Muitas cidades muçulmanas em todo o mundo, especialmente nos Balcãs, são marcadas por fontes cuja água é potável, além de apropriadas para as abluções e banho.[8]

 

Andaluzia

Na Andaluzia, nomeadamente no palácio de Al-Hamra, a fonte da praça dos leões não era apenas um dos eixos principais da rede de água que abastece o palácio, mas também era uma obra-prima que mostrou a beleza da escultura na civilização islâmica, a bacia desta fonte tem doze leões com água saindo de suas bocas. Ficamos mais surpresos ao saber que a fonte era um relógio, onde a água sai da boca de apenas um leão à uma hora, e de dois leões, quando são duas horas, e assim por diante, até que a água saia da boca de todos os doze leões às 12 horas. Mas, este sistema entrou em colapso após a queda da Andaluzia, e os espanhóis o estragaram quando tentaram aprender a operá-lo.[9]

Assim, as fontes eram parte elegante dos jardins islâmicos, tinham uma função prática, valor estético e, por vezes, eram invenção científica.

 

 

[1] Yahia Waziri: Al-Imara Al-Islamia wa Al-Be’a (A arquitetura islâmica e o meio ambiente), p 217.

[2] Will Durant: História da Civilização 13/241.

[3] Jornal Asharq Al-Awsat, datado de 25 de novembro de 2008.

[4] Jornal Asharq Al-Awsat, datado de 27 de outubro, 2002.

[5] Yahia Waziri: Al-Imara Al-Islamia wa Al-Be’a (A arquitetura islâmica e o meio ambiente), p 217.

[6] Salma al-al-Khadraa Jiousi: Hadara al-al-al-Islamia Saudita Fi al-Andalus (em árabe civilização islâmica na Andaluzia), seção de James de Kay, sob o título: “al-Hadiqa al-Andaluzia: Derasa Fi Madlulatiha al Ramzia “(O Jardim da Andaluzia: Um Estudo em seu significado simbólico) 2 / 1433.

[7] Yahia Waziri: Al-Imara Al-Islamia wa Al-Be’a (A arquitetura islâmica e o meio ambiente), páginas 217 e 218.

[8] Abdul-Baqi Khalifa: Al-Athar Al-Tarikhia Fi Al-Balqan (Monumentos Históricos nos Balcãs), pesquisa publicada no jornal Asharq Al-Awsat, 25 de novembro de 2008.

[9] Walid Ahamd Al-Sayed: In’ikassat Falakiah Fi Al-Imara Al-Arabia Al-Islamia (Reflexões Astronômicas na Arquitetura Árabe Islâmica), jornal saudita Al-Jazeera, 09 de novembro de 2002.

 

Facebook

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Close Panel